Olhar Diverso por Raquel Ramos Machado

|
03 - janeiro 2012
por raquelrmachado na categoria Afeto, Poesia, Violência

Como recuperar a beleza perdida do cotidiano diante da violência e da destruição?

Acordamos e dispomos de uma cota de energia física e espiritual. Inimagináveis opções de viver corpo e mente: fazer exercício físico, aprender algo novo, ensinar, ler, escrever, trabalhar burocraticamente, trabalhar criativamente, ferir, matar, simplesmente não fazer nada…

O que me intriga é como, diante de tantas opções, escolher exatamente ferir, matar ou ainda se acovardar? Será alguma falha de educação, da personalidade, de ambas? Em que momento seria possível intervir para pedir em sociedade a trilha de um caminho menos macabro? Ou será que a diversidade cultural não me permite falar de certo e errado?

E mais: como reagir diante da violência evidente? Enfrentá-la, seja em gestos, seja em discurso? Ou será melhor ignorá-la ou diminuí-la?

Olhar para algo de belo, no meio a tanta brutalidade é fútil ou uma forma de educar? Optar pela bondade e pela paz é pieguice ou opção inteligente de viver?

Não gosto da atitude de bons bobos, porque a mansidão do bem permite e fortalece a marcha do mal (usando expressões de Hannah Arendt, apesar de parecerem um pouco maniqueístas), mas mergulhar na violência talvez seja também atitude meio suicida.

Observo meus filhos e fico sem ter plena certeza de como noticiar o que ocorre no mundo. Não os quero alienados, mas intuitivamente considero que há muito mais a dizer além da realidade crua.

Hoje, o que mais tenho são dúvidas e o desejo, a sede de beleza.

Isso tudo me faz lembrar um filme que adoro “A vida é bela”. Para quem não recorda ou não viu, ele trata da relação entre pai e filho, num campo de contração nazista, da necessidade desesperada do pai de poupar o filho. Deixo uma cena com vocês.

[youtube http://www.youtube.com/watch?v=JItscLHrCp4]

          (0) votos.
Posts
 
Outubro
D S T Q Q S S
« jul    
 123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
28293031  
Tags